As 7 casas de chá mais curiosas do mundo

31 maio 21
As 7 casas de chá mais  curiosas do mundo

Vamos fazer uma viagem sem sair de casa? Em tempos de pandemia, todo cuidado é necessário e viajar para o exterior ainda é um desafio e tanto. Mas isso não significa que não podemos navegar pelas telas, certo? Fizemos uma lista com as 7 casas de chá mais curiosas do mundo para você descobrir e quem sabe colocar na sua lista de desejos!

 1. Six Glaciers – Alberta, Canadá

Para viver uma experiência em meio à natureza e sem interrupções, o Six Glaciers é a escolha certa.

O edifício de pedra e madeira possui 2 andares foi construído por volta de 1927 para abrigar hóspedes que faziam as trilhas para as geleiras, na  Planície das Seis Geleiras, na área do lago Louise, em Alberta, no Canadá.

Para chegar até lá é preciso percorrer uma rota panorâmica de 6,5 km ai redor do Lago Louise, até chegar na região onde não energia elétrica – e por isso, não aceitam cartão como forma de pagamento. O local é de tão difícil acesso, que os suprimentos chegam a ser transportados via helicóptero.

A casa de chá Six Glaciers é administrada pela mesma família desde 1959 e oferece almoço, sobremesa e claro, muito chá.

Six Glaciers - Alberta, Canadá
Casa de Chá Six Glaciers | Imagem: divulgação

2. Samovar Tea Bar, San Francisco, EUA

Jesse Jacobs passou uma jornada de 12 anos viajando pelo mundo, visitando e trabalhando em fazendas de chá para trazer os de melhor qualidade para seu empreendimento, o Samovar Tea Bar, em San Francisco, nos Estados Unidos.

Com um estilo contemporâneo, o lugar oferece diferentes variedades de chás e infusões, além de refeições saudáveis para harmonizar.

Um dos principais diferenciais é o equipamento que ele desenvolveu em parceria com uma cervejaria local: uma tecnologia capaz de preparar uma xícara de chá de forma automática, com controle de temperatura de água e tempo de infusão. O funcionamento é bem simples: tudo feito através de um aplicativo.

Samovar Tea Bar, San Francisco, EUA
Samovar Tea Bar | Imagem: divulgação

3. Hu Xin Ting – Xangai, China

Considerada a casa de chá mais antiga da China, Hu Xin Ting é um marco histórico e um ponto turístico disputado em Xangai.

O prédio com estrutura arquitetônica típica da cultura chinesa foi construído por volta de 1885 e está localizado  dentro de um lago, repleto de carpas.

A casa oferece diferentes tipos de chás e acompanhamentos, mas os clássicos oferecidos do lugar são os chás verdes com jasmim e florais.

Uma boa dica é escolher uma mesa na janela, para conseguir apreciar a vista e degustar com tranquilidade a beleza dos chás servidos no local.

Hu Xin Ting - Xangai, China
Casa de Chá Hu Xin Ting | Imagem: divulgação

4. Rooibos Tea House – Clanwilliam, África do Sul

Imagine uma casa de chá que serve apenas rooibos e blends com….rooibos!

Localizada em Clanwilliam, uma cidade com pouco menos de 10 mil habitantes, localizada em uma das regiões produtoras de rooibos da África do Sul.

A Rooibos Tea House oferece uma experiência completa para quem deseja conhecer mais sobre o rooibos, arbusto nativo da região e exportado para todo o mundo.

Um lugar simples, calmo e pequeno, que oferece mais de 100 combinações de blends com rooibos, que variam entre florais, picantes, herbais e doces.

Rooibos Tea House - Clanwilliam, África do Sul
Rooibos Tea House | Imagem: divulgação

5. Sunny Hills – Tokyo, Japão

Um prédio arquitetônico que chama a atenção de qualquer que passa pelas ruas do luxuoso bairro Omotesando, Sunny Hills é uma confeitaria de abacaxi (isso mesmo que você leu) e casa de chá.

Uma gigantesca estrutura feita em treliça de madeira, com 3 andares e que se diferencia de qualquer espaço arquitetônico comum.  

A técnica, conhecida como jigoku-gumi é um estilo de carpintaria que utiliza ripas de madeira encaixadas, criando uma textura e um apelo visual que remete a estruturas orgânicas da natureza. Ela foi desenvolvida pelo arquiteto jan pontes Kengo Kuma.

O espaço é aberto para visitação gratuita e todos os visitantes recebem um pedaço de bolo de abacaxi – a especialidade da casa – feito para harmonizar com uma xícara de chá.

Sunny Hills - Tokyo, Japão
Casa de chá Sunny Hills | Imagem: divulgação

6. The Chai Spot, Manhattan e Sedona, EUA

Uma casa de chai que une cultura, resistência, história, empoderamento feminino e apoio social. Essa é a essência do The Chai Spot, um espaço que oferece diferentes tipos de chai e é todo caracterizado com os elementos da cultura do Paquistão, rico em cores, almofadas, adornos e conforto.

Khalida Brohi é uma paquistanesa nascida em uma aldeia tribal na região de Baluchistão, que em 2013, se apaixonou porém ítalo-americano  de Los Angeles. Seria um relacionamento comum, se não fosse a influência da cultura que tornava as famílias inimigas e não aceitavam a namoro. Durante dois anos, Khalida e seu namorado lutaram pelo amor, superando desafios  como ódio, julgamento, medo e preconceito.

Durante o período de batalha, havia algo que promovia momentos de diálogo na família: o momento de servir o chai.

Esse simbolismo deu origem ao Chai Spot, uma empresa social voltada para a construção de paz entre o Oriente e o Ocidente, assim como o empoderamento socioeconômico das mulheres no Paquistão. Por isso, parte da renda do lucro é destinada para projetos sociais.

Ao todo, são 2 unidades, instaladas em Manhattan e Sedona, Arizona. E cada local é projetado para transportar os hóspedes para o Paquistão, com ores, texturas, histórias e sabores. E claro, o chai é a bebida mais pedida porque é feita com ingredientes frescos e preparados no local.

The Chai Spot, Manhattan e Sedona, EUA
The Chai Spot | Imagem: divulgação

7. Mount Houa Tea House – China

O quão disposto você estaria para tomar um chá a 2 mil metros de altura em um penhasco? Parece loucura, mas cerca de 1 milhão de pessoas por ano vão até o Monte Houashan, na China.

Considerado um dos cinco montes sagrados da China, o local já foi templo taoista e hoje pertence à Associação Taoísta da China, que abriga uma pequena casa de chá.

Para chegar até o topo do Mount Houa é necessário pegar um teleférico até a subida do morro, um trajeto que dura cerca de 20 minutos.

Depois, o restante do percurso é feito a pé, por degraus cravados nas pedras e com algumas grades e correntes para oferecer mais segurança aos visitantes. 

Durante muitos anos, esse percurso ficou conhecido como uma das rotas mais perigosas do mundo. Somente em 1996 é que medidas de segurança foram implementadas.

Mas todo o esforço é recompensador: ao final do trajeto, é possível tomar um chá quente com a uma das vistas mais bonitas do mundo.

Mount Houa Tea House - China
Mount Houa Tea House, na China | Imagem: divulgação