Conheça a história do chá no Brasil

24 nov 20
Conheça a história do chá no Brasil

Você já parou para pensar qual é a história do chá no Brasil, ou como adotamos a cultura da Camellia sinensis na terra do café? Diferente de muitos países, o consumo do chá puro ainda não é muito popular entre os brasileiros, parte pelo hábito de apreciar o café e parte, pelo consumo de infusões de ervas, frutas e flores.

Embora poucos saibam, existe um importante episódio do início do cultivo da planta do chá, a Camellia sinensis no país que transformou uma cultura e impulsionou a economia no estado de São Paulo há muitos anos.

Como a Camellia sinensis chegou no país

A história do chá no país é repleta de surpresas. Há 200 anos, as primeiras mudas de Camellia sinensis chegaram na terra tupiniquim através da realeza. Dom João IV, o Rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, trouxe para o Brasil, em 1812 sementes para plantar no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro (RJ).

Dois anos depois, em 1814, cerca de 300 imigrantes da região de Macau, na China, foram trazidos para trabalhar nas plantações de chá brasileira. 

No entanto, a variedade chinesa da planta não se adaptou ao clima e as plantações de chá foram substituídas pelo café, muito mais rentável na época.

Foi em 1935 que a história do chá com o Brasil ganhou força, graças ao esforço de Torazo Okamoto, que foi ao Sri Lanka, antigo Ceilão, importar sementes de chá. 

Como na época havia fiscalização nos navios e o transporte de sementes era proibido, Torazo escondeu diversas sementes de chá dentro de miolos de pães.

As sementes se transformaram em uma das maiores culturas de chá do Brasil, instalada em Registro, o Vale da Ribeira, em São Paulo, com a variedade Camellia sinensis assamica, que melhor se adaptou ao nosso clima.

Hoje, a cidade é conhecida como a “Capital do Chá” e também se tornou marco da colonização japonesa no Estado de São Paulo. 

O mérito em forma de decreto foi dado pela região ter sido a primeira a receber imigrantes japoneses interessados a investir na produção própria de chá no Estado. 

O ápice das exportações de chá do Brasil aconteceu entre os anos de 1950 a 1980, com grande impacto na economia local.

Como já explicamos neste post aqui, a produção foi tão intensa que chegou a ter 5 mil hectares de cultivo e cerca de 40 indústrias voltadas para o processamento do chá na região.

Porém, em 1990 as mudanças econômicas no Brasil, como o Plano Collor e chegada da moeda Real, as produções começaram a ser afetadas e desvalorizadas pelo exterior, fazendo com que muitas empresas encerrassem suas atividades.

Futuro do Chá no Brasil

O Brasil está longe de ser um país referência na produção de chá, mas existem algumas empresas que cultivam e beneficiam a Camellia sinensis com foco na exportação, inclusive com produção orgânica. 

Fundada em 2019, a Associação Brasileira do Chá (abChá)  tem como objetivo contribuir e fomentar o mercado do chá no país, unindo especialistas, produtores, entusiastas e consumidores em um único projeto.

Ou seja, um cenário promissor para os tea lovers brasileiros pode surgir e colaborar com a história do chá brasileiro.